A vida é um jogo.

Puro e simples, complexo e inquestionável. Existe um tempo certo para conjugar cada verbo de cada gesto que escolhemos ou não fazer, dar ou receber. Amar é o mais apetecível e talvez o mais conjugado em vão.

 Não me atrevo a trancar o meu coração , ainda me restam muitas jogadas por fazer. Quando os vejo , sinto um vazio em mim , como se a minha alma me fosse roubada durante uma fracção de segundos. Não a critico, não questiono a sua aparencia nem o porquê de ser ela. Reconheço a paixão nos seus olhos, toca-a do mesmo modo que me tocava. Ao olhá-lo nos olhos não procuro mostrar-lhe raiva ou mágoa, não a sinto, procuro apenas a paz de um : está tudo bem.

 E hoje ao ver-te, recordei a calmaria que me dás, a segurança insegura de quem não veio para ficar. Sei que não gostas de mim , sou apenas especial , nada mais . Pintas-me como eu te pinto. Sabes que o meu coração foi magoado e o teu também. Quis abraçar-te e perder-me em ti, mesmo sabendo que não vais ficar para me ver crescer. Quis provar os teus lábios, matar a saudade dos beijos quentes. O teu olhar ainda me cativa , ainda me imobilizas ao apareceres. Obrigado por me teres feito sorrir, mesmo sabendo que não vens para ficar, obrigado por me mostrares o valor que tenho.

 E eu não te vejo durante dias a fio enquanto o vejo a ele todos os dias trocando olhares apaixonados, abraços apertados e beijos com ela. É por isso que gosto tanto de te ver , sabe-me bem saber que te tenho mesmo não me pertencendo.

 A vida é um jogo, puro, simples e inquestionável.

 

publicado por Lébasi às 19:52