...

Cobarde. Se esperas que diga que és apenas mais um recuso-me a fazê-lo. Recuso-me a ajoelhar-me perante as vozes que me avisaram e dar-lhes razão e implorar pelo seu perdão. A razão está do meu lado.

Não és mais um. Não é qualquer um que tem a tua manha e joga este jogo dessa maneira tão surrealista. Mentiras, mentiste-me com toda a tua alma e eu dei valor ás palavras que usavas para definir. Prendi-me aos abraços desejados e aos beijos esperados. Dei-me ao teu olhar que tanto parecia clamar por mim.

E agora? Agora revelaste, não és um bom jogador. Se o fosses saberias manter a máscara até que eu virasse costas mas a tua máscara caiu enquanto eu me ausentava. Eu apenas caminhei na esperança de não te encontrar e ouvi comentários relativos a um qualquer cabrão. Eu apenas caminhei e vieram ter comigo perguntar-me se estava tudo bem e se era preciso acertar-te o passo. Eu apenas estava a caminhar, e na esperança de não te ver, não vi o que todos viram.

Caminhei, fui, fiz o que tinha a fazer e regressei e ao regressar vi o tão inesperado caso de amor. Vi-te a ti, vi a tua mão na cintura dela, a outra no rosto enquanto ela sorria. Não, não vou dizer que ela é feia e que eu sou melhor. Recuso-me a ser mesquinha e a dizer que estás com ela porque te deixaste iludir, porque ela te deu o que eu me recusei a dar por puro bom senso. Não o farei. A tua máscara caiu neste momento:


- Chegou-me aos ouvidos que andas a comentar a minha vida e as pessoas com quem me dou, é verdade?

- Não.

- Espero não ouvir mais nada, se não vamos ter chatice!

- Isso é uma ameaça? Tu tornaste-te nada, tenho mais que fazer que andar a comentar o que fazes e com quem o fazes.

- Entende como quiseres, se ouço mais alguma coisa vamos ter chatice, mete-te na tua vida.

- Na minha vida ando eu metido, se nada és porta-te como o nada que pretendes ser.

- Eu nunca fui nada, estás avisada

- Eu sei que não, hasta

 

A tua máscara caiu, revelaste-te de uma maneira que eu não quis ver e que era tão evidente aos que me rodeavam. Não, não darei parte fraca. Não direi que ela é isto, aquilo ou o outro. Direi apenas, “ mereço melhor que tu “. Quanto a ela, adoro o facto de no mesmo dia nos termos cruzado quatro vezes e das quatro vezes ri-me para não chorar, não olhei para não cair. Sempre que me afastava, o pensamento era o mesmo : porque desde uso a palavras que não sentiste?

publicado por Lébasi às 21:22