Manhã

  Sente o silêncio. Cala a voz e sente a musica. Cada momento tem a sua melodia, cada passo o seu ritmo, cada sorriso a sua intensidade. Acordo sem qualquer vontade de me levantar. Está escuro, apenas uns raios de luz se observam por entre os buracos presentes no estoro. Fecho os olhos, o édredon parece pesar toneladas. Reviro-me mais que uma vez na cama, abro os olhos e ergo-me desviando o édredon. Olho em meu redor, vejo apenas um reflexo escuro no espelho.

 Caio na cama novamente. Deixo que as dúvidas me percorram. Pergunto-me porque é que o C. me liga somente para proferir “ promete que se me envolver com quem nós sabemos e eventualmente sair magoado, me beijas e eu fico feliz ou me barras e eu percebo o quão estúpido fui por te ter perdido “. Pergunto-me que mais poderia ter feito para que hoje fosse eu no lugar dela e ergo-me de novo antes que o meu sub consciente me responda.

 Subo o estoro e percebo que os raios de luz de antes eram do nascer do sol. Sento-me no chão e abro a janela. Acendo um cigarro e contemplo o alaranjado do céu. Sinto o silêncio, a música completa o momento.

 À beira de um precipício só há uma maneira de andar para a frente: é dar um passo atrás.

publicado por Lébasi às 13:27